Renato Lopes

Hoje é 25 de novembro de 2017. Santa Maria, RS

renato-lopes livros viagens dicas historias-dos-amigos fotos noticias links diario-de-bordo contato

Viagens e Aventuras


Tamanho da fonte A+ A-
Motoviagem por Sete Estados

Motoviagem por Sete Estados

Viagem a sete estados brasileiros (RS, SC, PR, SP, MG, GO e DF)
Um objetivo, um sonho e parceria à altura, assim nasceu a idéia de fazermos uma viagem, destas inesquecíveis, aproveitando a realização do Motocapital em Brasília e visitar o amigo gaudério Edson Steglich que estava residindo por lá, mas com sua máquina Virago 1100, em Santa Maria, pedindo estrada. Depois de alguns contatos surgiu o grupo de viagem com os seguintes integrantes: Edson Steglich – Virago 1100, Cleber Winckler – TDM 850, Renato Lopes – V-Strom 1000, Luiz Fernando Cunha – V-Strom 1000 e Bira – V-Strom 1000.
Após algumas reuniões (regadas a churrasco é claro!), muitos mapas, GPS e sugestões, estava definido o roteiro de viagem e atribuições de cada um dos integrantes.
Finalmente, no dia 26 de julho, chegara o grande dia. Eram exatamente 7 horas, quando partimos do posto da rótula com chuva intensa, como que nos querendo dar uma refrescada após tantos dias de seca, mas com o carinho do parceiro Irio que foi se despedir de nós, a coisa ficou light. A chuva nos acompanhou até a entrada do estado de Santa Catarina, quando o sol voltou a brilhar e a nos dizer que dali pra frente era tudo com ele. Chegamos a Ponta Grossa – PR, onde pernoitamos. Saímos logo cedo, pois meu irmão Clenio Winckler nos aguardava com churrasco, daqueles que um bom gaúcho, há seis anos longe da terra, se presta em fazer. Para matar bem a saudade da família, nada melhor que as presenças dos sobrinhos Rodrigo e Maurício (muito bem acompanhado da linda Isabela), que nos ladearam o tempo todo.
Catalão, Cristalina e finalmente Luziânia, uma paradinha para comprar algumas lembranças para os queridos que ficaram, e, logo ali…. Brasília. Na chegada, uma boa surpresa, nosso amigo e irmão, Dr. Remi Toscano, nos deu as boasvindas com sua ZX10 rápida como um lince e fugaz como uma águia. Ter um irmão e amigo deste quilate esperando é um sinal de dias felizes. Conduziu-nos em segurança até a residência do nosso amigo Julio (bem em frente ao local do encontro), que juntamente com sua esposa Vera e os irmãos Lopes (Flávio, Paulo e Lari), nos receberam com um carinho e amizade surpreendentes.
Uma passadinha no Motocapital para marcar as presenças e darmos um abraço rápido nos amigos, e a coisa incorporou e seguiu até a madrugada. Parabéns, amigos dos motogrupos organizadores, o ambiente estava 10, e o carinho de vocês nos fez sentir como se estivéssemos em nossas casas, principalmente os GANSOS que nos serviram aquele "caldo" delicioso e muita bóia.
O encontro dos Brazil Rider's (www.brazilriders.com.br) presentes, ciceroneados pelo Edu e Estenio, demonstraram a importância desta irmandade motociclística da qual nos orgulhamos de fazer parte. Quando nos demos conta, estávamos todos os BR's em uma galeteria gaúcha na asa sul de Brasília, fazendo aquela confraternização e tomando algumas geladas… é claro!
À tarde nos dedicamos a visitar a cidade e conhecer seus pontos turísticos, um mais belo que outro, tanto no aspecto político como histórico. Neste dia, conhecemos uma pessoa maravilhosa, daquelas que nos dá a sensação de que a conhecemos há anos, D. Irma, mãe do Remi, grande mãezona e companheira, 85 anos, muita saúde e muitas histórias de vida.
No domingo fomos conhecer o Memorial JK. Visitar o memorial deste grande brasileiro é lhe prestar um tributo, pela sua visão de grandeza e capacidade de realização. Todos nos sentimos mais brasileiros. Logo após, fomos para a residência do Paulo Lopes, onde conhecemos a sua família e convidados. Na chegada, já sentimos a familiaridade com a terra gaúcha, tanto pela música como pelo cheirinho de churrasco que se dissipava por toda a superquadra. Claro que o Bira ficou faceiro como "ganso novo em taipa de açude", não fosse a nossa intervenção, o mesmo tinha assumido o lugar do Paulo, pilotando a churrasqueira. Tudo posto no seu devido lugar, muito churrasco, cervejinha no ponto e aquela rede para a sesta. A tarde ficou pequena.
Na segunda-feira, dia 31, pé-na-estrada rumo a Cavalcante – GO, onde os irmãos Lopes, juntamente com o amigo Júlio (que fera!), nos aguardavam na pousada Veredas (www.pousadaveredas.com) de propriedade do Flávio Lopes. Mas antes da chegada, passamos no projeto de assentamentos de sem-terra, que recebeu dezenas de famílias de gaúchos. O almoço foi na casa da D. Rosa, que preparou aquela galinha caipira com polenta e saladas, que nos saciou a fome e nos fez sentir o carinho dessa nossa gente. Finalmente, lá pelas 16 horas, chegamos a Cavalcante, não sem antes conhecermos a comunidade dos Calungas.
A imensidão da chapada dos veadeiros nos faz sentir pequenos, locais belíssimos nos aguardando para interagirmos com aquela natureza toda. Neste momento, começamos a nos perguntar. Quantos anos? Quanta história? Quanta vida? Tudo ali naquela imensidão como a nos falar que devemos respeito a tudo isso. Foram momentos únicos nestes três dias que jamais se repetirão, mas fica a certeza de que outros momentos virão, principalmente pela beleza do passeio (caminhadas, escaladas e banhos nas cachoeiras). A equipe da pousada, capitaneada pelo mestre Flávio, pelos "guias" Paulo, Lari e Julio, abastecida pela Socorro, nos fez sentir maiores do que somos.
O retorno! A despedida! Deixamos pra trás pessoas que temos certeza de que "Deus as fez e guardou a receita para si", o Edson Steglich, o Remi Toscano, o Flávio, o Lari, o Paulo, o Júlio e todos os seus familiares. Fica a lembrança de dias especiais e a vontade de reencontro. Chegara a hora da estrada e assim pernoitamos dia 03, em São José do Rio Preto – SP, hotel IBIS. Saída pela manhã e chegada, à noitinha, em União da Vitória – PR, no hotel Nota 10.
Uma passadinha rápida na mana Cleusa Winckler, em Passo Fundo – RS, e o cheiro de casa. Para abrilhantar ainda mais, fomos recepcionados, ainda na estrada, em Itaara, pelo amigo gaudério Luiz Noal, que nos conduziu ao nosso destino final, onde nossos familiares e amigos nos aguardavam para aquela festa tradicional de chegada.
Foram 11 dias de uma grande viagem e muita amizade, ficando a certeza de que muitos momentos bons ainda nos aguardam. Obrigado aos companheiros de viagem, pelos momentos únicos que vivemos, e às nossas esposas e filhos, que se privaram de nossas presenças para que pudéssemos viver tudo isso.
Por Cleber Winckler
Adaptado por Renato Lopes

voltar

Renato Lopes Motoviagem & Aventura

Desde 2008 © Todos os Direitos Reservados Site Criado pela Wsete Design